Hildur Guðnadóttir

Por Dentro da Trilha | Hildur Guðnadóttir e sua tensa composição para ‘Coringa’


A trilha sonora é uma peça fundamental nas obras cinematográficas, muitas vezes fazendo parte do elemento narrativo, auxiliando o desenvolvimento da história. Através dela, podemos nos situar na época em que a história se passa, no contexto da trama, na ambientação e no que está sendo apresentado em cena. Além de preencher o filme, a música tem o incrível poder de causar sensações com profundidade no espectador, conversando com a situação em tela e demostrando ali qual a sensação a obra quer transmitir no momento. Se é algo melancólico, dramático, aterrorizante, triunfal, grandioso, depressivo, cômico, entre outros diversos sentimentos que captamos seja de um personagem ou acontecimento transmitido pelas imagens.

Hildur Guðnadóttir

Hildur Guðnadóttir, compositora, islandesa, 37 anos


No recém lançado Coringa (Joker), dirigido por Todd Phillips com Joaquin Phoenix no papel do personagem-título, a trilha sonora é um dos grandes destaques. Responsável por trazer uma atmosfera densa, incômoda e que causa uma sensação de tensão em diversos momentos, essa trilha foi composta pela islandesa Hildur Guðnadóttir, nascida no dia 04 de setembro de 1982 em Reiquiavique (Reykjavík), capital e maior cidade da Islândia. Atualmente com 37 anos, Hildur é violoncelista com formação clássica e realizou solos de violoncelo nas trilhas do filme A Chegada (2016), composta por Jóhann Jóhannsson, nascido na mesma cidade. Hildur também realizou solos na trilha de O Regresso (2015), composta por Ryuichi Sakamoto, e compôs a trilha sonora de Maria Madalena (2018), em colaboração com Jóhann Jóhannsson, Sicário – Dia do Soldado  (2018) e da minissérie da HBO, Chernobyl (2019).


Hildur participou de um episódio do Score: The Podcast (um programa de podcast focado em trilhas sonoras de filmes, séries e games) e relatou que escreveu várias músicas antes do filme começar a ser gravado (e os atores ouviram elas). Isso influenciou bastante na performance dos atores. A trilha sonora de Coringa é quase um mergulho profundo combinando com a atuação de Joaquin Phoenix, Hildur trabalhou fazendo um diálogo entre suas músicas e as performances dos atores. Hildur ainda disse que encontrou Joaquin durante as gravações , mas não houve uma conversa longa e nem mesmo houve uma preocupação e te-la. Segundo ela, o que importava era sentir a música e deixar com que ela conduzisse o resto.

“Você não precisa falar sobre do que a música se trata, mas sim deve senti-la.” – afirmou a compositora.

 


Segundo Hildur, trabalhar com o diretor Todd Phillips foi uma experiência incrível, pois ele confiava e dava muito espaço para ela poder criar e sempre foi muito aberto com o que ela tinha para oferecer. O resultado é uma combinação perfeita entre um personagem perturbado com sua condição mental, suas adversidades e todo o processo envolvido em sua transformação, com uma trilha sonora que transmite nitidamente o sentimento incômodo, tenso e obscuro que o filme aborda.

 

 


Hildur Guðnadóttir recebeu o Prêmio Soundtrack Stars (Estrelas da Trilha Sonora) no 76º Festival Internacional de Cinema de Veneza (2019) pela composição de ‘Joker’, além de ter recebido um Emmy pela sua composição na minissérie Chernobyl.

 


Confira um trecho do episódio que legendamos em que, Hildur comenta sobre a sua gratidão em trabalhar com a música e poder ser exemplo para outros compositores, principalmente para as mulheres na Industria Cinematográfica.


Nos diga o que você achou da trilha sonora e de quais formas ela impactou na sua experiência com o filme! Você pode ouvir o álbum completo pelo Spotify.

Trackbacks & Pings

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares